CULTURA

No centenário de Clarice Lispector, Cooperativa Cultural da UFRN vende livros da escritora com descontos

Uma das escritoras mais aclamadas da literatura brasileira, Clarice Lispector teria feito 100 anos em 10 dezembro de 2020. Para marcar o centenário estimulando a leitura de suas obras, a Cooperativa Cultural da UFRN resolveu oferecer desconto de 20% em todos os títulos disponíveis na loja assinados pela ucraniana/brasileira, com livros a partir de R$ 20. A promoção segue do dia 13 ao dia 30 de janeiro ou até quando durar o estoque, que inclui romances, contos, crônicas e histórias infantis.

Apesar de ter dito não se considerar escritora profissional, os 57 anos de Clarice foram extremamente produtivos, já que a escritora disse ter começado a criar histórias na infância, assim que conseguiu adentrar no universo das letras.

“Faço questão de ser amadora”, declarou em entrevista ao jornalista Júlio Lerner, no programa Panorama, pouco antes de morrer, em 1977.

A narrativa intimista, profunda, poética e filosófica segue conquistando leitores em todo o mundo, com mais de 200 traduções para mais de 10 idiomas.

A pesquisadora em Literatura Mona Lisa Bezerra Teixeira, autora do livro “O orvalho áspero de Clarice Lispector” (2011), há pelo menos duas décadas se debruça sobre a obra da escritora. Ela acredita que um bom caminho para começar a ler Clarice pode ser com seus contos ou crônicas:

“Obras como ‘Felicidade Clandestina’, ‘Laços de família’ e ‘A legião estrangeira’ nos oferecem narrativas que tratam sob óticas diversas a condição humana. Neles encontramos a presença de crianças, adolescentes, homens, mulheres, idosos. Todos revelando a complexidade de estar vivo em meio às angústias e alegrias de ser humano”, explica a especialista.

Durante o Mestrado na UFRN, Mona Lisa buscou analisar o primeiro romance de Clarice Lispector, “Perto do coração selvagem”, abordando também os demais romances e narrativas sob uma perspectiva de que a obra possui um intimismo que reflete aspectos da sociedade que extrapolam os dramas individuais.

No doutorado, feito na USP, Mona Lisa analisou a presença da infância em toda a obra:

Essa presença não ocorre somente no sentido cronológico. Ela é uma estrutura basilar de sua criação em relação à descoberta material do mundo, da linguagem e da existência. Os seus personagens de maior destaque como Joana, Martim, G. H., Macabéa, entre outros, refletem uma essência infantil por estarem sempre em movimento de contemplação e desvendamento diante de tudo que observam”, explica, ao ressaltar que a ingenuidade é mais complexa do que o sentido usual da palavra:

“Ela pode ser aproximada das sensações que um dia já tivemos diante dos primeiros contatos com tudo que envolve a condição humana”.

Especializada na escrita de Lispector e fã, Mona Lisa diz que o que mais lhe impressiona e atrai é a capacidade que a escritora tinha de lidar com a linguagem. Para a pesquisadora, “palavra e pensamento pulsam” por meio das personagens e de reflexões.

“A essência da condição humana é muito explorada. Isso ocorre quando em um conto como ‘Os desastres de Sofia’ ela elabora com extremo detalhamento as impressões e o mal-estar de uma adolescente diante da descoberta do amor. Não lemos somente a história, lemos as sensações. Já li dezenas de vezes, mas, a cada vez, é como se fosse a primeira leitura. Ela consegue expressar o indizível. Isso é uma característica essencial de seus escritos”, diz a estudiosa, que indica ainda a biografia “Clarice, uma vida que se conta”, de Nádia Battella Gotlib, para conhecer e compreender a trajetória literária da autora sempre enigmática.

“Ela consegue expressar o indizível. Isso é uma característica essencial de seus escritos”

Mona Lisa Bezerra Teixeira, pesquisadora da obra de Clarice Lispector

Também para se aprofundar, Mona Lisa lembra “Todas as cartas”, lançado pela editora Rocco em 2020. O volume reúne correspondências, muitas delas inéditas, trocadas com as irmãs, Tania Kaufmann e Elisa Lispector, leitoras refinadas e também escritoras, e ainda outros grandes nomes da literatura, como Lúcio Cardoso, Manuel Bandeira, Rubem Braga, Fernando Sabino e João Cabral de Melo Neto.

Sobre Clarice

No ano de 1920, nasceu Chaya Pinkhasovna Lispector em uma família judaica russa que perdeu suas rendas com a Guerra Civil Russa e se viu obrigada a sair do país de origem por causa da perseguição aos judeus que resultou em diversos extermínios em massa.

Tendo chegado aos dois anos de idade ao Brasil, sempre se declarava pernambucana. A família passou um breve período em Maceió, até se mudar para Recife, onde Clarice cresceu. Aos oito anos, perdeu a mãe. Aos quatorze, mudou-se com o pai e as irmãs para o Rio de Janeiro. Lá estudou Direito e se tornou tradutora, logo se consagrando como escritora e jornalista. “Perto do coração selvagem”, o primeiro livro, foi publicado em dezembro de 1943. No ano seguinte, em 1943, casou com o diplomata Maury Gurgel Valente, com quem teve dois filhos. Pedro e Paulo, afilhado do escritor Érico Veríssimo.

Devido à profissão do marido, viveu em muitos países do mundo, desde Itália, Inglaterra, Suíça e Estados Unidos. O relacionamento durou até 1959, e quando resolveram se separar, Clarice retornou ao Rio com as crianças.

Clarice Lispector morreu no dia 9 de dezembro de 1977, véspera de seu aniversário de 57 anos, no Rio de Janeiro, vítima de câncer de ovário.

Confira os livros da autora disponíveis na Cooperativa Cultural:

Água Viva – ed. Comemorativa
A Bela e a Fera – ed. Comemorativa
A Cidade Sitiada – ed. Comemorativa
Clarice na cabeceira – contos
Clarice na cabeceira – crônicas
Clarice na cabeceira – romances
Correio feminino
Correspondências
Crônicas para jovens de bichos e pessoas
Crônicas para jovens de escrita e vida
Crônicas para jovens do rio de janeiro e seus personagens
Crônicas para jovens: de amor e amizade
Felicidade clandestina – ed. Comemorativa
Hora da estrela, a – ed. Comemorativa
Laços de família – ed. Comemorativa
Legião estrangeira – ed. Comemorativa
Lustre  – ed. comemorativa
A maca no escuro – ed. Comemorativa
Onde estivestes de noite – ed. Comemorativa
Outros escritos
Paixão segundo G.H. – ed. Comemorativa
Perto do coração selvagem – ed. comemorativa
Todas as cartas
Todas as crônicas
Um sopro de vida – ed. Comemorativa
Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres – ed comemorativa
A via crucis do corpo – ed. Comemorativa

 

 

 

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *