OPINIÃO

no rosto de uma mulher

Eveline Sin escreve às quartas-feiras na agência Saiba Mais

quarta-feira, 21 de março, uma semana da execução de Marielle.

nossos corpos ainda quentes. o frio espreita. nos vela. nos rodeia. chega perto. mas precisamos cuspir o fogo de nossa própria luz. seguirmos quentes. é preciso ter o sangue quente. falo nós, pra mexer o caldo. ouvir o grito. emergir o máximo de pessoas que defendem causas que precisam ser honradas. que respeitam a vida. a dor. a partida. a história de cada corpo no mundo. por isso precisamos ter o sangue quente. e nunca deixar que a frieza alcance nossos pés. passados. que soterre nossos corações por montanhas de icebergs escaladas pelo ódio de pessoas sem humanidade. é inacreditável que alguém comemore tamanha covardia. É inadmissível que alguém comemore tamanha covardia. pior, é assustador que alguém comemore tamanha covardia. tenhamos o sangue quente. pra acender os olhos da verdade.

no rosto de uma mulher

pássaros beijam o infinito

escondem-se debaixo de sua pele

para cantar seu voo

no rosto de uma mulher

o sol rompe universos

e desliza noturno

no rosto de uma mulher

crianças seguram a mão do tempo

 

me sinto devastada. vejo minhas árvores mais antigas pelo chão. somos uma floresta de séculos em chamas. galho por galho tronco abaixo. é difícil respirar. impossível achar o ar vendo que a luta pelo justo encontra a injustiça tantas vezes. essa morte não pode ter nenhum minuto de silêncio. vamos seguir com sangue quente pulsando nas veias de punhos em riste.

pra sempre o tempo do sorriso marcado no rosto de uma mulher vai doer

 

Leia outros textos de Eveline Sin, na agência Saiba Mais:

Do encontro com grades, a esperança desenha pegadas

Quiseram

Julgamento

Artigo anteriorPróximo artigo
Avatar
Eveline Sin é artista, poeta e grafiteira. Escreve às quartas-feiras.