TRANSPARÊNCIA

Comitê científico do RN recomenda suspensão de aulas em escolas privadas e toque de recolher em bares e restaurantes após 22h

O comitê científico estadual, órgão consultivo criado para orientar pelo Governo do Estado em relação às normas relacionadas à pandemia, recomendou uma série de medidas restritivas para conter o avanço do novo Coronavírus no Rio Grande do Norte. Até o início da tarde desta quinta-feira (19), oito hospitais do Estado tinham 100% dos leitos de UTI ocupados para covid-19.

A assessoria de comunicação do Governo afirmou que a lista de recomendações ainda está em análise.

Entre as novas medidas restritivas sugeridas está a suspensão das atividades presenciais de bares e restaurantes em todo o Rio Grande do Norte depois das 22h pelo período de 14 dias. A medida foi adotada no Ceará e, de acordo com o comitê estadual do RN, deve ser reavaliada após o prazo de duas semanas.

Também ficam suspensas por 14 dias as aulas presenciais das escolas privadas, com uma reavaliação da medida ao final do período. Além disso, o comitê sugere a criação de um serviço de denúncia para pais e alunos de escolas, sejam elas públicas ou privadas, em meio à ocorrência de casos de sintomáticos respiratórios que não tenham sido devidamente afastados do convívio, assim como no caso de turmas escolares que não tenham sido submetidas ao protocolo da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap). Ainda em relação às escolas, fica adiado o início das aulas nas escolas públicas do estado por 14 dias, com reavaliação da necessidade de um novo adiamento.

Em relação às academias de ginástica, a recomendação é de reforçar os cuidados, como o uso de máscaras e distanciamento social. O estabelecimento que descumprir as medidas sanitárias será multado. Também serão implantadas barreiras sanitárias nas divisas com os estados da Paraíba e Ceará, além de portos e aeroportos. As barreiras sanitárias terão seu monitoramento e rastreio intensificados nos municípios classificados como turísticos do estado, que vai intensificar  a busca ativa de casos e contatos, além do monitoramento dos casos ativos será reforçado pela Atenção Primária dos município.

Conheça outras medidas sugeridas pelo comitê científico:

  1. Aplicar sanções previstas em lei a estabelecimentos de saúde públicos e privados, como clínicas, hospitais e laboratórios, que deixem de notificar os casos aos serviços de informação e de controle de leitos;
  2. Ampliar a vigilância genômica no Rio Grande do Norte;
  3. Suspender as atividades ambulatoriais de clínicas e consultórios e serviços públicos de rotina que não comprometam o cuidado continuado ao paciente;
  4. Suspender cirurgias eletivas que demandem uso de leitos críticos na Região Metropolitana;
  5. Proibir eventos em toda a orla do RN por 14 dias;
  6. Abrir leitos de UTI covid-19 no Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), os quais deverão ser mantidos enquanto a Taxa de Ocupação do RN estiver acima de 60%;
  7. Ampliar a fiscalização do estado (polícia militar) nos finais de semana em bares e na orla potiguar, especialmente da região metropolitana.

RN contabiliza 157,8 mil casos e 3.437 mortes por covid-19

Até o início da tarde desta quinta (18), o Rio Grande do Norte tinha um total de 157.800 casos confirmados e 3.437 mortes decorrentes da covid-19, segundo a Sesap. Foram quatro mortes nas últimas 24 horas nas cidades de Natal (03) e Mossoró (01).

Ao todo, oito hospitais estão com 100% dos leitos críticos (semi-intensivos e UTI) ocupados: o Hospital Colônia Doutor João Machado (Natal), o Hospital Regional Dr Mariano Coelho (Currais Novos), o Giselda Trigueiro (Natal), o Hospital Municipal Manoel Lucas de Miranda (Guamaré), o Hospital Maternidade Divino Amor (Parnamirim), o Hospital Municipal Aluízio Bezerra (Santa Cruz), o Hospital Regional Lindolfo Gomes Vidal (Santo Antônio) e a Unidade Materno Infantil Integrada de São Paulo do Potengi.

Além dessas unidades, o Hospital de Campanha de Natal para pacientes com covid-19 está com 95% de ocupação de seus leitos críticos.

 

 

 

 

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *