DEMOCRACIA

‘Nunca precisei mamar em teta nenhuma’, diz Doria após ataques de Bolsonaro

Anúncios

Após críticas do presidente Jair Bolsonaro (PSL), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), não se contentou e reagiu aos comentários nesta sexta-feira (30). Durante uma transmissão ao vivo, nas redes sociais, Bolsonaro havia direcionado críticas ao governador que desde o começo deste mês vem tentado se afastar da relação ‘BolsoDoria’ definida durante as últimas eleições. “Nunca precisei mamar em teta nenhuma”, retrucou o psdbista aos jornalistas, durante uma visita à Alemanha nesta semana.

O presidente Jair Bolsonaro disparou contra o governador de São Paulo, debochando do “anticomunismo” de João Doria. Disse, ainda, que ele se beneficiou no período dos governos petistas e chegou a comprar jatinho com subsídios do BNDES. Luciano Huck também foi alvo dos comentários do presidente.

“João Doria comprou também. Explica isso aí. Só peixe. Amigão do Lula, da Dilma. Eu vejo o Doria falando de vez em quando ‘minha bandeira jamais será vermelha’. É brincadeira! Quando estava mamando lá, a bandeira era vermelha com um ‘foiçasso’ e um martelo sem problema nenhum, né? Ihuuu, tá ok?”, disse Bolsonaro.

Apesar da resposta, de acordo com João Doria, o presidente não teve a intenção de atacá-lo, porque o caso da compra dos jatos “não tem problema nenhum”. “Não devolvo a ofensa nem vou entrar dentro dessa linha de confronto”, respondeu o governador.

Anúncios

No entanto, sobre a declaração de Bolsonaro de que Doria é “amigão do Lula, da Dilma”, o governador rebateu em tom agressivo. “Quero Lula e Dilma distantes, se possível do Brasil, até. Que fiquem onde estão, Lula na prisão e Dilma no ostracismo”, comentou.

“Não vou entrar nessa polêmica”, disse. “Essa informação já era pública. Já tínhamos comprado, assim como o Luciano Huck, e não tinha nenhuma caixa preta”, havia afirmado Doria em reportagem da Folha de S. Paulo.

Tentando se afastar da figura de Bolsonaro, agora na mira das críticas internacionais, o tucano é visto como possível rival do representante de extrema-direita nas eleições presidenciais de 2022.

Doria tem feito críticas indiretas à atuação do presidente na crise do desmatamento, durante sua viagem à Europa, conforme divulgado pela reportagem da Folha, jornal que também já está preparando o território para 2022 ao divulgar material sobre os pontos de distanciamento entre ambas as figuras.

Anúncios
Artigo anteriorPróximo artigo
Pedro Torres
Pesquisador e jornalista com foco em direitos humanos, política e tecnologia baseado em Natal/RN. CONTATO: pedrohtorres@outlook.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *