OPINIÃO

O livro da Padaria Espiritual

A Padaria Espiritual está de volta!

Refiro-me à reedição, pelo Sebo Vermelho, do livro “A Padaria Espiritual”, de Leonardo Mota. Esse ensaio crítico, cuja edição original é de 1938, foi um dos primeiros a abordar a Padaria Espiritual, movimento literário cearense que existiu no período de 1892 a 1898 e que contou como integrantes Antônio Sales, Adolfo Caminha e Rodolfo Teófilo, dentre outros. Marcado pela verve humorística e pelo espírito boêmio e libertário, o grupo literário publicava seus escritos no jornal O Pão, cujos textos eram assinados com pseudônimos irreverentes, como Sátiro Alegrete, Policarpo Estouro ou Frivolino Catavento, e anteciparam muitos dos elementos de uma literatura modernista.

Quem me conhece sabe que eu, como amante das Letras e do Humor (além da Boemia), tenho grande admiração e deleite por essa confraria literária que pintou e bordou no Ceará Moleque de fins do século XIX. Aliás, já escrevi sobre isso neste mesmo espaço do Saiba Mais (ver https://www.saibamais.jor.br/pao-para-o-espirito/).

Então qual não foi minha alegria quando soube que o sebista e editor do Sebo Vermelho, Abimael Silva, havia encontrado a primeira edição do ensaio crítico de Leonardo Mota (1891-1948), último título publicado em vida, aliás, pelo mesmo autor de “Cantadores” e “No tempo de Lampião”. Segundo o próprio sebista-editor, essa primeira edição foi garimpada em um sebo de Fortaleza e lhe custou algumas muitas lágrimas em dinheiros, o que só atesta a importância desse título não só no mercado livreiro, mas na própria História cultural e literária do país.

A turma de escritores, poetas, músicos e artistas frequentadores do Café Tristão e do Café Java tinha por objetivo “fornecer pão de espírito”. Foi sobre essas “fornadas” espirituosas, ao lado do Programa de Instalação da confraria e das atas de reuniões da antiga Rua Formosa, no Centro da capital cearense (hoje conhecida como Rua Barão do Rio Branco), que se dedicou o intelectual Leonardo Mota, em estudo pioneiro que tem lugar de destaque junto a nomes como José Veríssimo, Afrânio Coutinho, Nelson Werneck Sodré e Sânzio de Azevedo.

No primeiro número d´O Pão, lançado em 10 de julho de 1892, assim se definiu o jornal da Padaria Espiritual: não promete ser eterno; deseja, porém, viver o mais que for possível. E é o que proporcionam o ensaio de Leonardo Mota e a reedição de Abimael Silva, cujo lançamento acontece no próximo sábado, dia 18 de setembro, no Sebo Vermelho (av. Rio Branco, 705), de 9 às 12h. Nada melhor para iniciar as celebrações dos 130 anos de existência da Padaria!

Vida longa, portanto, às gentes de espírito! Vida longa à Padaria Espiritual!

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *