OPINIÃO

O que faz a sua cabeça

Caro leitor, cara leitora, o texto de hoje é só uma breve reflexão/provocação: o que você pensa ao ver um preto com cabelo grande, uma preta com tranças ou belo penteado? O que primeiro vêm a sua cabeça?

Não, não precisa responder agora. Nem muito menos falar com ninguém – pelo menos não agora. Deixa sua ideia aí tranquila, apenas na sua cabeça.

Para ajudar um pouco no teu raciocínio – e também seguir na proposta desta coluna de levantar questões históricas sobre o povo preto no Rio Grande do Norte – socorro-me mais uma vez de antigos jornais publicados nas terras de Poty.

Está lá na edição nº 61 do jornal A República, no dia 20 de março de 1902, na coluna “Pensando e Rindo” assinada por um desconhecido “Tartarín”, pequenos versos que não envelheceram:

 Cabelo preto e crespo
Faz um lindo parecer
Todos querem o cabelo crespo
Mulato ninguém quer ser

O periódico que traz a quadrinha assinada por “Tartarín” foi fundado por Pedro Velho de Albuquerque Maranhão, o mesmo que hoje dá nome a uma das principais praças de Natal, como o “órgão do partido republicano federal” em 1889, já no ano subsequente à abolição.

O leitor e a leitora há de concordar que os versinhos publicados por A República há mais de 116 anos seguem vivos, ainda mais agora neste momento de crescente afirmação da identidade negra seja pelo cabelo, pelas roupas ou por qualquer atitude pública.

São apenas quatro versos que mostram como nós não discutimos nossos problemas, só jogamos tudo em um armário escuro, tudo vai para debaixo dos panos.

Caro leitor, cara leitora: o que você pensa ao ver um preto com cabelo grande, uma preta com tranças ou belo penteado?

Um feliz Natal a todos e até a próxima semana.

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *