Principal

Oposição vence e Argentina está a um passo de sepultar governo Macri

Anúncios

A oposição levou a melhor nas eleições primárias na Argentina e deu um passo importante para sepultar o governo neoliberal de Maurício Macri. Mesmo antes da divulgação do resultado oficial, o atual presidente e candidato à reeleição jogou a toalha e reconheceu a derrota:

“Tivemos uma eleição ruim”, disse Macri.

Até o fechamento desta reportagem, co candidato Alberto Fernandez, que tem como companheira de chapa a ex-presidenta Cristina Kirchner, vencia com 47,6% dos votos contra 32% do oponente principal.

As primárias são uma prévia da eleição, em que os eleitores escolhem os candidatos indicados pelos partidos para disputar o pleito em 27 de outubro de 2019. Como nenhum partido indicou mais de um concorrente, as primárias de 2019 serviram como uma espécie de pesquisa boca de urna sem margem de erro.

Anúncios
Província de Cordoba (ARG) recebeu um dos últimos comícios de Alberto Fernandez (foto: divulgação)

Outro detalhe importante é que, diferentemente do Brasil, a chapa vencedora que alcançar 45% dos votos na eleição vence a disputa ainda no primeiro turno. Isso significa que se o resultado das Primárias se mantiver em outubro, Alberto Fernandez e Cristina Kirchner serão os futuros presidentes da República da Argentina pelos próximos quatro anos.

De acordo com analistas políticos da Argentina, o grande trunfo de Alberto Fernandez foi conseguir unir o peronismo, principal corrente política popular no país que tem braços na esquerda, centro e direita, mas estava esfacelado nos últimos anos. A chapa foi batizada de Frente de Todos.

A articulação de Fernandez foi tão importante que Cristina Kirchner, que liderava as pesquisas de intenção de voto, entendeu que a chapa ficaria mais forte com Alberto na cabeça. Ele havia sido chefe de gabinete do governo dela e do ex-presidente Nestor Kirchner.

Em vídeo gravado e transmitido ao vivo no comando eleitoral da Frente de Todos, a ex-presidenta Cristina Kirchner agradeceu aos argentinos e destacou a situação difícil vivida atualmente na Argentina:

“Os argentinos acreditam que as coisas devem caminhar na Argentina porque sabem que não estamos bem, não estamos tranquilos, não estamos felizes”, disse a candidata à vice-presidente que pediu, em tom duro, que o atual governo argentino respeite o resultado das urnas:

“Em virtude de tudo o que é púbico e notório, e pela experiência que vivi quando fui candidata à senadora em 2017, peço que divulguem o número verdadeiro da votação, não por mim ou pela Frente de Todos, mas por todos os argentinos. Todo e qualquer argentino tem o direito de saber qual é o resultado da vontade popular da Argentina”, desabafou.

Alberto Fernandez: “Os argentinos decidiram construir outra história”

Confiança: o peronista Alberto Fernández votou nas primárias. Agustin Marcarian / Reuters

Falando como futuro presidente da República da Argentina, Alberto Fernandez fez seu primeiro discurso por volta das 23h40 e foi ovacionado por uma multidão no comando eleitoral da Frente de Todos. Ao lado de governadores das províncias argentinas, ele começou agradecendo o povo por entender a mensagem que ele e Cristina Kirchner haviam passado durante a campanha eleitoral:

– Hoje os argentinos decidiram construir outra história. Finalmente a Argentina entendeu a mensagem. Uma mensagem que dizia que nós nos importamos com a educação pública, uma mensagem que dizia que nos interessa a universidade publica para qualquer cidadão, uma mensagem que dizia que as pequenos e médio empresas devem ser atendidas e cuidadas. E que a melhor forma de avançar é com trabalho, e não com reforma trabalhista”, afirmou.

Fernandez prometeu que os serviços voltarão funcionar e destacou que o governo dele vai garantir o direito à saúde antes de atender aos interesses dos bancos. O vencedor das primárias também fez questão de falar em pacificação.

A Argentina merece um país integrado, não segregado. Está terminando o tempo de mentiras e (nascendo) um horizonte melhor para o futuro. Na Argentina, todos têm lugar”, disse.

O candidato da chapa Frente de Todos, franco favorito para vencer as eleições em outubro, Alberto Fernandez também alfinetou o atual presidente Maurício Macri, principal concorrente.

– A partir de hoje termina o conceito de vingança, de grito. Estou seguro que caminharemos no melhor sentido. Nós vamos fazer a mudança, não eles. Vamos trabalhar em tudo o que falta para que os argentinos pacifiquem os espíritos e abracem o país que vivemos. A argentina começou a parir outro país. Só queremos uma coisa: que os argentinos recuperem a felicidade que tinham perdido”, afirmou.

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *