CULTURA

Pedidos por tatuagens com temas políticos e sociais crescem em Natal

Anúncios

Os nomes e imagens de familiares, times do coração, signos e até animais de estimação sempre estiveram no topo da lista de pedidos quando o assunto é marcar a pele com desenhos definitivos. Nos últimos anos, no entanto, os clientes que sonham em tatuar o corpo têm mudado o perfil da escolha. Com a polarização política do país, muita gente passou a marcar o próprio corpo com símbolos ou mensagens políticas militantes.

A nova tendência vem sendo notada há pelo menos três anos pelo tatuador profissional Ruy Pinheiro, que bebe na fonte do realismo. Ele passou a criar artes autorais para concorrer em eventos e convenções, nacionais e internacionais, falando sobre as questões sociais do Brasil:

– “A arte serve exatamente para isso: nos tirar do lugar comum. Como a minha especialidade é realismo, seja colorido ou preto e branco, quando vou competir com outros tatuadores procuro representar minha arte, na categoria cultura brasileira, fazendo um raio-X da realidade do nosso país, nem sempre é fácil ganhar o troféu criando esse tipo de peça, mas a repercussão é sempre muito positiva”, explicou o tatuador que está há 11 anos na profissão.

As imagens do ex-presidente Lula, da vereadora assassinada Marielle Franco, além de artes do povo negro e indígena estão na relação dos novos pedidos. Até 2016, não havia praticamente nenhum pedido por tatuagens semelhantes no estúdio onde trabalha. À medida em que a política foi ganhando mais espaço a ponto de dividir o país, a demanda cresceu também.

Anúncios

Ruy Pinheiro ganhou destaque nacional em 2018 ao criar um projeto social em Natal (RN) voltado para mulheres vítimas de câncer de mama. Ele ajuda a reconstruir o seio extraído a partir de tatuagens, contribuindo especialmente para elevar a autoestima da paciente.

Ruy Pinheiro trabalha há 11 anos em Natal (RN) e percebeu o aumento de pedidos políticos após o golpe de 2016 (foto: divulgação)

Sobre a fase política dos clientes, ele diz que percebeu a mudança a partir do golpe que tirou do Palácio do Planalto a então presidenta da República Dilma Rousseff (PT):

– Desde o golpe na presidenta Dilma em 2016, percebi que as pessoas passaram a cogitar o assunto como algo importante para si e trouxeram a temática para o estúdio. Em 2017/2018 isso ficou mais latente com as eleições e as pessoas passaram a se tatuar com o tema”, explica.

Pinheiro tem posição política formada e não paga de isentão para atrair mais clientes. Também é claro ao afirmar que não faria tatuagem de cunho fascista, homofóbico, racista ou de nenhum outro tipo de preconceito.

– Os clientes nos procuram pela qualidade da tatuagem, mas também por afinidade. Levando em consideração que a identidade política que me identifico mais é a esquerda, recebo mais clientes desse lado”, afirma.

A vereadora Marielle Franco (PSOL/Rio), assassinada em 2018, é um das imagens mais procuradas (foto: divulgação)

Em respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente, o tatuador também não faz tatuagens em menos de 18 anos, mesmo que os pais ou responsáveis se responsabilize.

Numa época em que as pessoas têm se decepcionado cada vez mais com a política, ele diz que não tenta demover ninguém do desejo de tatuar. Mas só realiza o trabalho após o cliente demonstrar total consciência do que deseja fazer:

– Eu respeito a vontade do cliente, desde que ele esteja em total consciência de si. Eu não tatuo menores de idade, por exemplo, nem com autorização dos pais, por recomendação do Estatuto da Criança e do Adolescente”, diz.

Para o tatuador profissional que há 11 anos atua em Natal e já expôs trabalhos em São Paulo, Salvador, Fernando de Noronha e Minas Gerais, a tatuagem por si só é uma manifestação política:

– A modificação corporal é um direito de todos, isso representa a liberdade de querer ser o que quiser. Por isso toda tatuagem é sim uma manifestação política, seja com o intuito de afronta social ou meramente estético. É direito de cada um e cada uma decidir sobre o seu próprio corpo. Sempre curti manifestar pensamentos e reflexões nos meus desenhos autorais”, encerra.

Perfil

Tatuador profissional com estúdio em Natal, Rio Grande do Norte. O artista começou a criar os seus primeiros desenhos ainda na infância. Inicialmente, a tatuagem veio como hobby, ainda na época da faculdade, em 2003. Cinco anos depois, tornou-se profissional da arte em peles após trabalhos e estudos intensos. Apenas um ano depois, inaugurou seu primeiro estúdio que levava seu próprio nome, hoje está a frente do Real Studio Tattoo, localizado em Petrópolis. Como estilos favoritos estão o portrait e o realismo colorido; Ruy busca a perfeição a cada novo trabalho. Além do estúdio em Natal-RN, realiza trabalhos eventuais em São Paulo/SP, na Vila Madalena, em Fernando de Noronha/PE, Salvador/BA e em Minas Gerais.

 

 

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *