CIDADANIA

População em situação de vulnerabilidade terá refeição gratuita em restaurantes populares do RN

Anúncios

Diante da pandemia do Coronavírus, o Governo do Estado determinou que a população em vulnerabilidade do estado receba as refeições gratuitamente através do Programa Restaurante Popular, que serve almoço, Café Cidadão e Sopa Cidadã. Serão beneficiados pessoas em situação de rua, refugiados e migrantes. Para os demais, o valor por refeição (R$ 1,00) será mantido.

As empresas responsáveis pelos restaurantes irão cadastrar as pessoas diariamente em uma ficha. O público alvo da distribuição gratuita e um mapa diário será repassado à Secretaria Estadual do Trabalho e Assistência Social (Sethas). O Programa atende, principalmente, a população em situação de vulnerabilidade. São 56 restaurantes populares que servem 42 mil refeições diárias entre almoços, Café Cidadão (44 unidades) e Sopa Cidadã (13 unidades).

Por causa da pandemia do novo coronavírus, a Sethas determinou às empresas que prestam o serviço que suspendam as refeições presenciais e as sirvam em quentinhas.  Agora, as refeições são preparadas e colocadas nas embalagens descartáveis trinta minutos antes de serem vendidas. Os restaurantes também devem fornecer copos e talhares descartáveis.

De acordo com a Secretária Estadual de Trabalho e Assistência Social, Íris Oliveira, as decisões foram acordadas com as empresas fornecedoras de alimentos para o programa e servem para evitar aglomerações e diminuir o impacto do vírus. “A Sethas tomou as providências no sentido de evitar aglomeração dentro das unidades e nas filas mas mantendo o funcionamento do serviço, discutimos medidas necessárias para evitar aglomeração  nas filas e uma redefinição no cardápio para o fornecimento de itens que não venham a ser perecíveis rapidamente”, disse.

As medidas estão de acordo com os protocolos de prevenção à contaminação estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde, Ministério da Saúde e decretos estaduais, que garantem mais segurança para usuários e operadores que trabalham nos restaurantes.

As empresas foram notificadas e já estão cumprindo as normas que estabelecem reorganização na venda para evitar aglomeração e, também, distância mínima de 1,5 metros entre as pessoas nas filas para a compra de alimentos. Àlcool em gel, água corrente, sabão e EPI’s também foram disponibilizados.

Refugiados e migrantes

Refugiados de países como Egito, Síria, Cuba e Venezuela vivem atualmente no Rio Grande do Norte e fazem parte da população em situação de vulnerabilidade no estado. A inserção do grupo no público alvo da gratuidade nos restaurantes foi recomendada pelo Comitê Estadual Intersetorial de atenção aos refugiados, apátridas e migrantes.

Alimentação, higiene, abrigo e inserção dessa população no Cadastro Único para programas sociais foram algumas das recomendações feitas pelo órgão. De acordo com Thales Dantas, presidente do Comitê, diversas necessidades básicas foram apresentadas pelos refugiados. “Nós recebemos muitas demandas, de necessidades básicas como alimentação e higiene, principalmente dos povo indígena venezuelano Warao, por isso essa recomendação de diversas ações que devem ser realizadas para inserir esse grupo nas ações de assistência social. Antes disso organizamos junto à Cruz Vermelha de forma emergencial a arrecadação e entrega de alguns itens, como cestas básicas”, explica.

Ainda de acordo com o presidente do órgão, o estado avalia aderir outra recomendação feita, a inserção desse grupo no Programa do Leite Potiguar.

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Kamila Tuenia
Jornalista potiguar em formação pela UFRN, repórter e assessora de comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *