CIDADANIA

Por falta de vagas, pacientes da Região Metropolitana de Natal são transferidos para Mossoró

Sem vagas de UTI, a Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) transferiu, na tarde desta segunda (22), dois pacientes que estavam na Região Metropolitana de Natal para a cidade de Mossoró. Um dos pacientes saiu da Unidade de Pronto Atendimento de Parnamirim utilizando oxigenação, com destino ao Hospital Rafael Fernandes. Já outro paciente foi transferido do Hospital Regional de João Câmara para o Hospital São Luís.

Os pacientes foram transportados de avião, com apoio do Samu RN. O Hospital Rafael Fernandes é referência macro regional no tratamento de condições infecto contagiosas. A unidade possui 14 leitos para pacientes com Covid-19, sendo 10 de UTI com leitos críticos. O Hospital São Luís, por sua vez, foi contratado pelo estado para atendimentos relacionados ao novo coronavírus. A unidade dispõe de 40 leitos de UTI.

Até esta segunda, o Rio Grande do Norte tinha um total de 160.752casos confirmados e 3.498 mortes por covid-19. A Sesap investiga, ainda, quase 80 mil casos (79.337) e 683 óbitos suspeitos. Três pessoas morreram nas últimas 24 horas em decorrência da covid-19, as vítimas eram das cidades de Assu (01), Mossoró (01) e Tibau (01). A Região Metropolitana segue com a maior taxa de ocupação do estado para leitos críticos (semi-intensivos e UTI) com 91,7%. O Estado está com 85,82%, a Região Oeste com 79% e o Seridó, com 77% de taxa de ocupação de leitos críticos para pacientes com covid-19.

Hospitais sem leitos críticos para pacientes com covid-19

Hospital de Campanha de Natal;

Hospital Giselda Trigueiro;

Hospital Manoel Lucas de Miranda (Guamaré);

Hospital Maternidade do Divino Amor (Parnamirim);

Hospital Regional Alfredo Mesquita (Macaíba);

Hospital Regional de João Câmara;

Hospital Regional Tarcísio Maia (Mossoró);

Hospital Regional Helio Morais Marinho (Apodi);

Hospital Regional Lindolfo Gomes (Santo Antônio);

Hospital Universitário Onofre Lopes.

 

 

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *