DEMOCRACIA

Prefeitura cria “factoide” e pressiona Justiça pela demolição do hotel Reis Magos

Anúncios

A prefeitura de Natal divulgou uma nota oficial nesta terça-feira (5) criando um “factoide” na cidade para pressionar a Justiça a autorizar a demolição do hotel Reis Magos. No comunicado, o município afirma que “diante da situação crítica da edificação, a STTU está ultimando as providências para interditar algumas ruas ao redor do antigo Hotel dos Reis Magos, tendo em vista o perigo de desabamento e o risco de projeção de material, no caso de colapso da edificação nas ruas que circundam o prédio, podendo causar acidentes com algum pedestre ou motorista que esteja circulando por ali”, diz.

O processo de tombamento e demolição do hotel Reis Magos se arrasta há seis anos em Natal e somente agora o município enxergou “perigo de desabamento” no prédio, desativado desde 1995.

A prefeitura jogou ainda mais pesado na nota ao proibir a entrada de agentes de endemias da secretaria municipal de Saúde no local “para fazer inspeções rotineiras, em virtude do risco de acidentes e estuda o uso de carros fumacê, embora não seja a solução para o combate ao vetor de doenças como a dengue, zika e chikungunya”.

A nota é uma tentativa de emparedar o poder Judiciário, que aprecia uma ação civil pública movida pela prefeitura contra o Governo do Estado, a quem cabe a última palavra sobre o tombamento do hotel. Na ação, a prefeitura pede que o Governo defina a situação do edifício em 72 horas.

Anúncios

No mais, a Prefeitura confia que o Poder Judiciário do Rio Grande do Norte irá se pronunciar no sentido de determinar ao Estado que finalize o processo de tombamento que já dura seis anos, em acordo com o parecer da Conselho Estadual de Cultural que por 9 a 1 votou de forma contrária ao tombamento do referido imóvel. Lembrando que nas demais esferas de governo todos os pareceres foram contrários ao tombamento do imóvel”, afirmou.

 

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *