CIDADANIA

Prefeituras da região metropolitana acatam medidas de prevenção contra a covid-19, exceto Natal

Com risco de colapso no sistema de saúde, Prefeituras da Região Metropolitana acataram a recomendação do comitê científico e do Governo do RN estabelecendo novas medidas para contenção da covid-19, exceto Natal.

O prefeito de Natal, Álvaro Dias (PSDB), anunciou nesta segunda-feira (22) que vai dobrar os leitos de UTI do Hospital de Campanha, passando de 20 para 40, 10 deles equipados pelo Governo do estado. Além disso, o município voltará a estender o horário de atendimento nas unidades básicas de saúde, mas nenhuma medida para reforçar o isolamento social foi anunciada ainda.

“Estamos extremamente preocupados. Diria que angustiados com o que está acontecendo”, declarou o prefeito em coletiva de imprensa ao citar o alto índice de internamentos. Apesar disso e de ser médico, voltou a recomendar o uso da ivermectina, droga sem eficácia contra a doença, como “a grande saída”.

No sentido inverso, a governadora Fátima Bezerra (PT) ressaltou em entrevista à Inter TV que não há medicamentos aprovados pela ciência contra a doença e anunciou 64 novos leitos, citando quatro no município de Macaíba; seis no Hospital Colônia João Machado, em Natal, e dez no Hospital da Polícia Militar.

A governadora acrescentou ainda que solicitou mais 20 kits de leitos de UTI ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

“Não se iludam. Não basta só abrir leitos de UTI. O mundo inteiro está provando que as medidas sanitárias são imprescindíveis para conter a transmissibilidade da doença”, salientou, reforçando o apelo aos prefeitos para que editem decretos mais rígidos, uma vez que são os responsáveis jurídicos para tomar essas decisões.

As prefeituras de São Gonçalo do Amarante, Extremoz e João Câmara publicaram decretos em acordo com o texto do Governo do estado. Ceará-Mirim, Macaíba, Parnamirim confirmaram à governadora também seguirão as orientações ao longo da semana.

Dentre as medidas estão a proibição do funcionamento de bares, restaurantes e similares após às 22h; da comercialização de bebidas alcoólicas, como também o consumo em ambientes públicos após às 22h; e realização de festas e eventos promovidos pelos entes públicos e iniciativa privada.

Os decretos ainda ressaltam que a fiscalização do cumprimento das determinações permanece a cargo dos municípios, com reforço das forças de segurança pública do Estado.

Com 84% de leitos críticos para covid ocupados no RN requer lockdown, diz especialista

“Estamos ultrapassando sem lockdown os números preconizados pelas organizações de saúde”, alerta médico epidemiologista e pesquisador do LAIS Ion de Andrade, chamando atenção para as taxas de ocupação de leitos críticos, que têm se apresentado em torno de 90% na região metropolitana e 84% no RN.

O especialista explica que tanto na região metropolitana quanto no Rio Grande do Norte como um todo, os números já ultrapassaram os patamares que a Organização Mundial da Saúde e a Organização Panameriana de Saúde definem como parâmetro para decretação do isolamento social obrigatório.

“Os números podem cair sem lockdown? Podem. Mas também podem subir mais ainda. Ninguém tem bola de cristal pra saber o que vai acontecer. É por isso que se recomenda o lockdown, que é uma medida de prevenção para que o cenário pior possa ser enfrentado de maneira adequada”, esclareceu, lembrando que um dos fatores de risco para agravamento do quadro é a chegada de novas cepas do vírus, que comprovadamente mais contagiosas e produz mais doença na população mais jovem.

Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *