CIDADANIA

Quase 30 pessoas foram autuadas e nove estabelecimentos fechados por descumprir toque de recolher no RN

Vinte e oito pessoas foram autuadas e nove estabelecimentos foram fechados no Rio Grande do Norte no último final de semana por descumprirem o toque de recolher decretado pelo governo estadual.

A medida de prevenção à covid-19 está valendo para todos os 167 municípios. Das 20h do sábado (6) às 6h desta segunda-feira (8), os potiguares só deveriam sair de casa em casos de extrema necessidade.

As exceções são serviços públicos essenciais; farmácias; indústrias; postos de combustíveis; hospitais e demais unidades de saúde e de serviços odontológicos e veterinários de emergência; laboratórios de análises clínicas; segurança privada; imprensa, meios de comunicação e telecomunicação em geral; funerárias; exercício da advocacia na defesa da liberdade individual; serviços de alimentação, exclusivamente para delivery; serviços de transporte de passageiros; construção civil, serviços de manutenção predial e prevenção a incêndios; preparação, gravação e transmissão de celebrações religiosas pela internet; serviços de suporte portuário, aeroportuário e rodoviário; cadeia de abastecimento e logística.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed), em Natal, toda área da orla de Ponta Negra e cinco estabelecimentos foram fechados no sábado à noite. E no domingo, mais quatro, com duas autuações.

Ainda no sábado, seis homens foram flagrados em via pública no município de Nísia Floresta, consumindo álcool e com som alto.

Em Messias Targino, dois proprietários de bares funcionando após o toque de recolher foram autuados. Em Patu, o dono de um balneário que estava funcionando com pelo menos 30 pessoas aglomeradas no local recebeu a visita da polícia.

Foram conduzidas à delegacia por desobediência ao decreto, duas pessoas em Várzea e uma em Baía Formosa.

De domingo para segunda, houve ocorrências em São Paulo do Potengi, com uma autuação, e em São Fernando, onde 13 pessoas foram abordadas pelas forças de segurança.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *