OPINIÃO

Que é o craque ?

Quando o craque despe a roupa que o faz especial, ele é um homem comum. É fácil ser o craque quando ninguém o observa. É difícil ser o craque quando as luzes apagam, quando as dores apertam. É difícil ser o craque e amparar os desatinos do time sozinho. É o tipo de solidão que só os craques conhecem. E mesmo que todos estejam ali para vê-lo, ao craque ainda é reservado o direito de se sentir sozinho.

O craque é um ponto de insanidade individual num esporte coletivo. É isso que se espera dele: insanidade. Por isso estamos aqui para vê-lo. Seja para fazer três gols num mesmo jogo, seja para fazer um único e solitário gol. Até o seu fracasso traz lampejos de brilho. Pois ao craque não é dada indiferença. Sua queda é televisionada e esperada por muitos.

Querem anular o craque, assim desmorona-se um castelo. Mas quando o craque não joga fazem comoção. O mundo se comove por quem eleva os momentos e encontra os espaços. Um toque aqui, outro acolá, três segundos, mudou o jogo. Nós precisamos do craque. Precisamos de alguém que mude o jogo assim: num passe, num toque.

Porque daqui parece fácil. E é fácil acreditar no craque. Muitas vezes, tudo o que nos resta é acreditar nele. Por mais que o cronômetro puxe os minutos, só os craques podem iludir o tempo e fazer o insano.

O que mais quer o craque? Se pode parar o tempo, mudar a ordem natural do jogo? É que assim como ilude o tempo, os adversários e as linhas defensivas, o craque também se ilude. O tempo o ilude. Glórias, títulos, consagração. Um dia não se acha o espaço, a perna pesa. Tem dias que o craque é só um João.

Mas até a fonética o faz especial. É sonoro, é quase uma interjeição. Cra-que. O barulho do encaixe no esquema tático. O time já pode funcionar. Um estalo de sapiência, um chute que parece acertar milhares de corações. Ora aplausos, ora vaias, ele está acostumado a grandes emoções, embora seja apenas um homem comum quando despe a roupa que o faz um craque.

Artigo anteriorPróximo artigo
Ana Clara Dantas
Ana Clara Dantas é jornalista e escreve às sextas-feiras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *