CIDADANIA

Rio Grande do Norte tem a menor proporção de favelas do Nordeste

De 1.054.122 domicílios existentes no Rio Grande do Norte, 41.868 estão localizados em favelas. Isso representa 3,97% do total de residências potiguares, a menor proporção entre os estados da região Nordeste.

As 100 favelas localizadas em municípios do Estado potiguar estão situadas, em média, a 782 metros de unidades de saúde de atenção primária. Os dados foram divulgados pelo IBGE com base no levantamento “Aglomerados Subnormais 2019: classificação preliminar e informações de saúde para o enfrentamento à Covid-19”.

As favelas estão em Natal, Mossoró, Parnamirim, São Gonçalo do Amarante, Macaíba, São José de Mipibu e Extremoz. Dos sete municípios, as comunidades de Extremoz são as mais distantes de unidades de saúde de atenção primária, 2.342 metros, em média.

Nos demais municípios, as médias são: Macaíba, 2.028 metros; São Gonçalo do Amarante, 776 metros; Natal, 658 metros; Mossoró, 619 metros; Parnamirim, 615 metros; São José de Mipibu, 143 metros.

Quando se trata de unidades de saúde com suporte para internação e observação, as distâncias entre elas e as comunidades são maiores. Em Natal, a média é de 1,2 km; em São Gonçalo, 2,4 km, em Mossoró, 1,3 km, em Extremoz, 5.7 km, Macaíba, 4.4 km, Parnamirim, 2,4 km e São José de Mipibu 746 metros.

O IBGE, que adiou o Censo Demográfico para 2021 em função da pandemia, cruzou dados dos aglomerados subnormais com os do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde do Ministério da Saúde. O cruzamento é importante pois essas áreas estão mais vulneráveis à doença, por terem maior concentração de domicílios e pessoas.

Natal tem 13% de seus domicílios dentro de favelas. São 33.372 casas em aglomerados subnormais, de um total de 256.794 domicílios natalenses.

Dos 100 aglomerados subnormais em território potiguar, 56 estão em Natal, 15 em Mossoró, 13 em Parnamirim e os demais estão distribuídos entre Extremoz, São Gonçalo, Macaíba e São José de Mipibu.

Aglomerados subnormais

Para o IBGE, os aglomerados subnormais são formas de ocupação irregular de terrenos de propriedade alheia (públicos ou privados) para habitação em áreas urbanas e, em geral, com padrão urbanístico irregular, carência de serviços essenciais e localização em áreas de restrição à ocupação, como rodovias, áreas ambientais ou contaminadas.

RN tem a menor proporção de domicílios em favelas do Nordeste

A Bahia possui a maior proporção da região Nordeste, com 10% das residências situadas em comunidades periféricas, enquanto o estado do Amazonas tem o maior percentual do país de casas nessa situação, são 34,5% do total de domicílios classificados como aglomerados subnormais. Na outra extremidade do ranking está o Mato Grosso do Sul com percentual de 0,74% de casas nessa situação.

 

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Kamila Tuenia
Jornalista potiguar em formação pela UFRN, repórter e assessora de comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *