OPINIÃO

Rio Greve do Norte

Já vai longe o tempo em que quando o RN aparecia no noticiário nacional era pra se falar do nosso potencial turístico, das belezas naturais e tranquilidade de um lugar semi-paradisiaco, que fez com que a cidade do Natal praticamente duplicasse de tamanho nos últimos  anos. Seu crescimento, alimentando especialmente por brasileiros de outros estados encantados com a tranquilidade, qualidade do ar, segurança e belas praias de agua morna o ano inteiro, mesmo atributos que numa escala mais reduzida, acabou por trazer como visitantes e depois moradores, gente de todo mundo de modo que hoje podemos afirmar que existe um certo cosmopolitismo da população natalense, se não nos costumes e moral em geral, ao menos na composição diversificada, de variadas origens culturais e geográficas, de seus habitantes. De modo que constatamos a mudança radical no conteúdo das veiculação do RN na grande imprensa. Ontem, dia 20 de dezembro nosso estado estava em todos os jornais, como destaque negativo pelas greves dos servidores públicos.

Cresci, fui adolescente e jovem, numa cidade, que não há muito tempo, era modelo de segurança e tranquilidade, o interior do RN então, lugarejo que se não gozava de muito desenvolvimento econômico de uma coisa não podia reclamar: insegurança.

Que diferença para a situação atual. O estado do RN passou de, dos mais pacíficos da federação, até coisa de dez anos atrás , para, proporcionalmente, o mais violento e os efeitos são sentidos por todos os lados, na restrição da vida social com diminuição dos horários de circulação de ônibus,  diminuição da presença de serviços bancários (os banco 24 horas são uma mentira, uma ilusão, há muito tempo, na prática só funcionam mesmo até as 22:00h) os bares que fecham cada vez mais cedo, os supermercados que dez anos atrás chegaram a ser 24 horas, depois reduziram o funcionamento para meia noite e hoje absurdamente fecham às 22:00h, ou seja quem estuda ou trabalha à noite e precisa fazer compras ao sair de tais expedientes simplesmente não consegue.

Como uma cidade que atualmente comemora a vinda nesse veraneio de mais de 100  voos com turistas pretende oferecer serviços de qualidade e abrangência aos seus visitantes se há muito tempo não consegue fazer isso aos seus moradores???

A insegurança deve aumentar, em plena semana do Natal, tivemos nessa quarta 20  de dezembro episódios de comerciantes fechando suas portas ainda no turno vespertino, devido ao medo dos assaltos. Afinal, nessa semana entraram em greve a Policia Civil, a PolÍcia Militar, os bombeiros, os agentes penitenciários, os salva vidas, juntando-se aos servidores da saúde e da UERN que já estavam em greve (são tantas as categorias profissionais em greve que receio ter esquecido alguma). Creio que desde os tempos nada saudosos do ex governador Geraldo Melo, os servidores do Grande do Norte não experienciavam situação tao calamitosa, nem mesmo nos tempos caóticos da Ex governadora Rosalba, que apesar da absoluta incompetência de sua gestão à frente do estado, devido ao contexto financeiro mais favorável de alguns anos atrás, não chegou aos abusivos quadros de atrasos atuais.

Num momento como esse como não olhar para um passado relativamente recente, quando entre  2003 e 2010 graças a bem sucedida parceria entre o Ex Presidente Lula e a falecida ex  Prefeita de Natal e ex Governadora do Rio Grande do Norte Wilma de Faria, esse estado e essa cidade tinham outra cara, os servidores eram valorizados e respeitados, o estado crescia socioeconomicamente num nível desconhecido até então e desconhecido desde então  – de um estado que nos anos  80 ostentava os piores IDHs do Brasil e atualmente lidera as estatísticas na região Nordeste.

Lamentavelmente, mal orientada em sua reta final de carreira, a guerreira manchou a história política pioneira da deputada federal mais votada da constituinte de  1988, da primeira mulher a governar Natal e o RN, tendo em seu legado importantes políticas sociais como valorização e expansão da UERN, criação das eleições diretas para diretor nas escolas municipais e estaduais, interiorização das delegacias da mulher, criação das secretarias de mulheres, de juventude, de ação social nos níveis municipal e estadual dentro outras questões relevantes, mas que saiu de cena marcada pelo estigma de ter apoiado o Golpe de Estado de 2016, tendo feito nessa ocasião sem dúvida a pior escolha política de sua carreira. (superando a já infeliz escolha de disputar o Senado e não o Governo do RN em 2014, perdendo para um quadro ainda mais qualificado que ela, a atual Senadora Fatima).

Por falar em Fatima, nenhum político (homem ou mulher) fez mais pelos Estado do RN nos últimos dez anos, desde de sua importantíssima, deveras qualificada, atuação como deputada federal, quando conseguiu a fabulosa expansão dos IFs no Rio Grande do Norte, fazendo com que um dos menores estados do país, tenha proporcionalmente falando, uma das maiores presenças do ensino federal de qualidade em seu interior contribuindo decisivamente para o fortalecimento econômico desses locais, (basta ver toda a dinâmica econômica que se estabelece nas cidades onde chegam os IFs, toda uma vida comercial, de prestação de serviços, passa a orbitar em volta da presença dos IFs) chegando a sua atual ação como senadora, orgulhando o RN ao se posicionar contra todos os cortes de direitos dos trabalhadores.

2018 tá ai, já tá pra começar e é um  ano de decidir se vamos continuar a alimentar esses políticos de sempre, os Carlos Eduardos, Os Robinsons e Fabio Farias, os Agripinos Maia, os Alves quaisquer que sejam, esses caras que já tiveram o poder em suas mãos e só fizeram sugar esse estado ou vamos, finalmente, aprender a lição e votar certo em 2018? Não sou filiada ao PT, mas como não reconhecer o maravilhoso trabalho da história política limpa e competente da senadora Fatima? Então, desde já, tô com ela e não abro, Fatima pra o governo do RN em 2018. Só tem ela pra mudar essa triste realidade que transformou nosso estado, no infeliz trocadilho que dá titulo a esse texto: “Rio Greve do Norte”.

Artigo anteriorPróximo artigo
Avatar
Historiadora e Militante LGBT