TRANSPARÊNCIA

RN chega a 750 óbitos por Covid-19; número de casos confirmados passa dos 20 mil

Anúncios

O Rio Grande do Norte ultrapassou a marca dos 20 mil casos confirmados de Covid-19 em pouco mais de 100 dias da pandemia. Ao todo, já são 20.070 pessoas infectadas pelo Coronavírus no Estado.

De acordo com a secretaria de Estado de Saúde Pública, o número de óbitos confirmados chega a 750, 20 a mais do que o divulgado ontem, sendo oito nas últimas 24 horas e os demais em dias anteriores, mas que só tiveram confirmação nesta terça. Outras 100 mortes estão em investigação.

A taxa de ocupação de leitos no estado é de 92%, sendo a região Metropolitana a que registra a situação mais crítica, com 96,5% dos leitos ocupados. Na região Oeste o percentual de ocupação é de 89,3% e no Seridó de 88,9%. Segundo o Regula RN, 85 pacientes estão na fila de espera por leitos.

Nesta terça-feira (23), após recomendação conjunta dos Ministérios Públicos Estadual, do Trabalho e Federal, a governadora Fátima Bezerra (PT) anunciou para 1º de julho o adiamento do início da reabertura do comércio no Estado a partir do plano de retomada gradual das atividades econômicas. A reabertura, no entanto, está condicionada à redução da transmissibilidade do vírus e, principalmente, da redução da taxa de ocupação dos leitos.

Transmissibilidade

A taxa de transmissibilidade, ou seja, a capacidade de uma pessoa infectada transmitir o vírus, gira em torno de 1, de acordo com o coordenador do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS) e membro do Comitê Científico de Combate ao Coronavírus, Ricardo Valentim. Isso significa que uma pessoa contaminada pelo coronavírus pode transmiti-lo para, em média, uma pessoa.

“Esse é um parâmetro que não pode ser observado separadamente, por exemplo, existe uma pressão muito grande por leitos de UTI. E com a taxa de transmissibilidade reduzida, em alguns dias o que poderá se observar é a desocupação dos leitos para Covid-19, depois a gente pode ter uma diminuição na pressão por leitos, é o que chamamos de efeito dominó. A taxa de transmissibilidade está reduzindo mas o reflexo dela é no futuro, por isso o comitê está observando essa taxa e o percentual de ocupação de leitos”, explicou Valentim.

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Kamila Tuenia
Jornalista potiguar em formação pela UFRN, repórter e assessora de comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *