TRANSPARÊNCIA

RN já tem a 2ª maior taxa de UTIs por habitante do Nordeste e a terceira do Brasil na pandemia

O Rio Grande do Norte foi o segundo estado da região Nordeste que mais reestruturou sua rede de UTIs durante a pandemia num comparativo por habitante, atrás apenas de Pernambuco. Em nível nacional, o Estado potiguar atingiu até o momento a terceira melhor marca do país, ao lado do Rio de Janeiro, ambos com 1,2 UTI a cada 10 mil habitantes. Espírito Santo lidera o ranking, com 1,5 UTI em relação ao mesmo número de pessoas.

Os dados foram divulgados pelo Observatório da Fiocruz e levaram em conta o Cadastro Nacional de Estabelecimentos em Saúde, além das informações repassadas pelas prefeituras e governos estaduais.

De acordo com a secretaria de Estado de Saúde Pública, o Governo Fátima já abriu 294 UTIs nos últimos quatro meses, o equivalente a mais de 80% de todos os leitos deste perfil abertos na história do Sistema Único de Saúde no Rio Grande do Norte. Contabilizando leitos críticos e de estabilização já foram 523 unidades colocadas em funcionamento desde o início da pandemia.

Outro ponto que chama a atenção é o caráter de regionalização na distribuição das UTIs pelo Estado. A Sesap reestruturou a rede em Natal, mas também colocou em funcionamento leitos críticos nas regiões metropolitana, Oeste, Alto Oeste, Vale do Açu, Agreste, Seridó e Mato Grande.

Mesmo com quase 300 UTIs a mais, ocupação de UTIs ainda é superior a 80%

 

Os quase 300 leitos de UTI já abertos pelo Governo do Estado dá a medida da força da Covid-19. Apesar do esforço, a taxa de ocupação segue superior a 80% na média geral e se aproxima de 100% em algumas regiões, especialmente Natal, cujo percentual de pacientes graves vem impedindo uma redução maior no número de mortes pela doença.

No boletim epidemiológico mais recente divulgado pela Sesap haviam 518 pacientes internados nas redes pública e privada de saúde. Desses, 183 ocupavam leitos críticos (UTI e semi-intensivo) em hospitais públicos administrados pelo Estado ou pelas prefeituras, e 93 eram pacientes de hospitais particulares.

A ocupação de leitos críticos na rede pública é de 88,3% enquanto 61% das UTIs no setor privado também estão ocupadas com pacientes graves.

Aglomerações em Ponta Negra chocam população

Imagens de aglomerações registradas no final de semana nas praias de Ponta Negra, Cotovelo e Tibau do Sul chocaram uma parcela da população pelo desrespeito e a falta de fiscalização das medidas de isolamento social pela prefeitura de Natal determinadas em decreto estadual.

Vídeos mostrando a multidão de jovens em Ponta Negra mereceu repulsa de vários natalenses e também dos gestores. A governadora Fátima Bezerra classificou de “inaceitáveis e inadmissíveis” as aglomerações e marcou para hoje (21) uma reunião de emergência com os 20 prefeitos dos municípios litorâneos, além de representantes do setor turístico e órgãos de controle para aumentar a fiscalização nas praias.

Confira onde estão distribuídos os leitos de UTI, clínicos e de estabilização pelo Rio Grande do Norte

1° Região (Agreste) – Total = 11
7 leitos clínicos e 4 de estabilização.

2° Região (Oeste) – Total = 135
68 UTIs | 62 clínicos | 5 estabilização

3° Região (Mato Grande) – Total = 21
9 UTIs | 10 clínicos | 2 estabilização

4° Região (Seridó) – Total = 49
30 UTIs | 19 clínicos

5ª Região (Potengi/Trairí) – Total = 6
4 clínicos | 2 estabilização

6° Região (Alto Oeste) – Total = 24
10 UTIs | 12 clínicos | 2 estabilização

7ª Região (Metropolitana) – Total = 271
177 UTIs | 87 clínicos | 7 estabilização

8ª Região (Vale do Açu) – Total = 6
4 clínicos | 2 estabilização

Total de leitos abertos pelo Governo do Estado diretamente ou com apoio de algum município:

UTIs – 294
Clínicos e estabilização – 229
Total: 523 leitos

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *