TRANSPARÊNCIA

RN tem 32 pacientes na fila de transferência para leitos críticos; Mortes por Covid-19 sobem para 220  

A secretaria de Estado de Saúde Pública confirmou que a fila de pacientes que aguardam transferência para leitos na rede hospitalar do Rio Grande do Norte já conta com 93 pessoas, sendo 32 para leitos críticos de UTI ou unidades semi-intensiva.

O número de pacientes internados chegou a 479 e praticamente todos os leitos para a Covid-19 disponíveis no Estado já estão ocupados. Na região Metropolitana de Natal, Mossoró e Pau dos Ferros não há mais vagas. Em Caicó, dos 17 leitos, apenas cinco estão sem pacientes.

O número de mortos subiu para 220 outros 39 óbitos seguem sob investigação. Nas últimas 24 horas, 798 pessoas foram infectadas pelo novo Coronavírus. Ao todo, o número de pessoas confirmadas com a Covid-19 chegou a 5.572. Os suspeitos já chegam a 13.146.

O Governo já começou a distribuir entre os hospitais os 40 respiradores enviados pelo Ministério da Saúde. Nem todos, no entanto, servem para UTI. Apenas metade dos equipamentos serão utilizados em leitos críticos.

– Dos 40 respiradores, 20 são para UTI e os outros 20 de uma complexidade menor, usados mais em estabilização de pacientes e no transporte de pacientes em ambulâncias. Esses respiradores que chegaram ainda são insuficientes, não dá nem para abrir os 30 leitos que estão para ser abertos em Macaíba e no João Machado, mas devido à nossa urgência já começamos a usar”, afirmou o secretário-adjunto da Sesap Petrônio Spinelli.

 Governo vai contratar 1.138 profissionais de saúde

Na entrevista coletiva desta terça-feira (26), Spinelli chamou a atenção para outro problema: a falta de profissionais de saúde para atuar em UTI. Pelo cenário atual, segundo ele, é possível chegar o dia em que a UTI vai contar com respiradores, mas não terá médicos para operar os equipamentos.

No Diário Oficial do Estado de hoje, a Sesap lançou um edital de recrutamento para a contratação temporária de 1.138 profissionais, entre médico diarista (Intensivista); médico plantonista; médico parecerista (infectologista e/ou pneumologista); enfermeiro; farmacêutico; bioquímico / biomédico; fisioterapeuta, além de técnico em enfermagem; técnico em radiologia; técnico de laboratório, auxiliar de cozinha, copeiro, cozinheiro, higienista hospitalar e maqueiro.

– Pode acontecer de ter os equipamentos e não ter profissionais. Por isso o isolamento precisa aumentar. Vamos continuar correndo para manter o sistema sem colapso”, disse.

 

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *