CIDADANIA

RN tem 65 em fila por UTI e fim de semana com pessoas sem máscara durante toque de recolher em Ponta Negra

Apesar de todo o apelo de isolamento social, durante este domingo (11), quando o toque de recolher é válido durante todo o dia, muita gente aproveitou para caminhar na praia de Ponta Negra, em Natal. Porém, sem máscara. Um comportamento de risco que preocupa, principalmente, diante do aumento nos pedidos de internações para pacientes com covid-19 em estado grave.

Na manhã desta segunda (12), 856 pacientes estavam internados e 65 aguardavam na fila de espera por leitos críticos (semi-intensivo e UTI). Além disso, a maioria dos hospitais permanece com lotação esgotada. Ao todo, 19 das 26 unidades estão com 100% de ocupação, outros seis estão com 90% ou mais e apenas o Hospital Maria Alice Fernandes possui uma ocupação dentro do aceitável, em torno de 50%.

O descumprimento do atual decreto estadual nº 30.458, pode acabar colocando em risco o processo de flexibilização anunciado pelo Governo do estado e exigido por alguns setores da economia. O decreto vale até o dia 16 de abril, quando deve ser reeditado.

“Ter o cuidado de usar máscara e manter distanciamento social precisa ser um comportamento automático das pessoas. Elas sabem o que está acontecendo não só no Rio Grande do Norte, mas no Brasil e no mundo. As pessoas precisam cumprir as normas até porque não há servidores suficientes para manter uma vigilância e fiscalização em cada esquina. Esse desrespeito termina por prejudicar os estabelecimentos que estão cumprindo as normas de biossegurança já que, quando há o aumento das internações, muitas vezes é preciso voltar às restrições. Infelizmente, não temos como afetar apenas quem não cumpriu com seu dever”, critica Fernando Mineiro, secretário de Gestão de Projetos e Articulação Institucional do RN.

O Secretário Fernando Mineiro destaca, ainda, que durante a noite as pessoas têm obedecido ao toque de recolher, mas que durante o dia, ainda é preciso reforçar a fiscalização e cabe aos municípios solicitar equipes ao Governo Estadual, para realizar as operações de fiscalização.

O número de mortes em Natal superou o de nascimentos. Mas ontem, por exemplo, tivemos manifestação dos evangélicos contra\ a proibição de cultos. É uma situação muito delicada que estamos passando.. Por mais que haja fiscalização, se não tiver adesão da população, não vai adiantar. E essas pessoas também não poderão reclamar das medidas restritivas”, lembra Mineiro.

A manifestação à qual o secretário de Gestão de Projetos e Articulação Institucional se refere, é a” Marcha da Família Cristã pela Liberdade”, na qual houve protestos conta a decisão do Supremo Tribunal Federal que autorizou estados e municípios e criar suas próprias regras e impor restrições a celebrações presenciais, como cultos e missas.

Até este domingo (11), o Rio Grande do Norte tinha um total de 207.457 casos confirmados e 53.212 suspeitos, além de 4.884 óbitos confirmados, sendo 12 nas últimas 24 horas nas cidades de Natal (01), Parelhas (01), Tenente Laurentino Cruz (01), Goianinha (01), Santa Maria (01), Parnamirim (03), Areia Branca (01), Guamaré (01), Assu (01) e Jundiá (01). A Secretaria Estadual de saúde Pública (Sesap) ainda analisa 967 mortes suspeitas.

Imagem: reprodução Regula RN

 

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *