TRANSPARÊNCIA

Ruralômetro aponta Fabio Faria como principal apoiador dos ruralistas no RN

O deputado federal Fábio Faria (PSD) foi o parlamentar do Rio Grande do Norte que mais apoiou as pautas da bancada ruralista na Câmara Federal de 2015  a 2017. É o que aponta o Ruralômetro, ferramenta interativa desenvolvida pela OnG Repórter Brasil que revela o comprometimento dos parlamentares com as pautas do agronegócio. Faria votou a favor de sete projetos nos últimos três anos e recebeu, segundo a medição da ferramenta, 40,2°C de febre. Entre os projetos aprovados por ele estão a reforma trabalhista, a ampliação da terceirização, o projeto que acaba com a exigência de símbolo dos alimentos transgênicos nos rótulos dos produtos e a medida provisória que dificulta o acesso ao seguro-desemprego e prejudicou o acesso aos agricultores que trabalham por safra. Ainda de acordo com o Ruralômetro, empresas ligadas ao filho do governador Robinson Faria devem R$ 3.474 ao INSS.

Fonte: Ruralometro – Repórter Brasil

O Ruralômetro mede a partir da temperatura, como num termômetro, o impacto socioambiental dos projetos que os parlamentares votaram ou propuseram. A escala, construída a partir de consulta a diversas entidades, classifica os projetos votados e propostos de acordo com seu impacto positivo ou negativo para o meio ambiente, povos indígenas e trabalhadores rurais. O termômetro, onde muitos parlamentares já alcançaram o grau de febre, indica o resultado das votações, se o deputado recebeu doações de empresas flagradas com trabalho escravo ou autuadas pelo Ibama, além de informar se o próprio parlamentar possui dívidas com o Ibama ou se está ligado à empresas com dívidas no INSS.

Quem também atingiu o grau de febre por se posicionar em favor dos interesses do agronegócio foi o deputado Walter Alves (MDB), classificado no estágio vermelho do levantamento, com 40°C. Para as entidades consultadas pelo Ruralômetro foram 10 votações pró-ruralistas e uma positiva aos interesses do meio ambiente, povos tradicionais e trabalhadores rurais.Entre os projetos cujo posicionamento do deputado foi negativo para as entidades estão a ampliação da terceirização, a aprovação do Teto dos Gastos que congela investimentos em educação e saúde prejudicando especialmente os trabalhadores rurais e a medida provisória que dificultou o acesso à pensão pelo INSS, o que também dificulta a vida dos trabalhadores rurais. O levantamento também revelou que Alves recebeu R$ 350 mil em doações de campanha de empresas autuadas pelo Ibama.

 

Em estágio de atenção, representados no gráfico da pesquisa na cor amarela, estão os parlamentares Beto Rosado (PP), Rafael Motta (PSB), Rogério Marinho (PSDB) e Felipe Maia (DEM). Febril, o filho do senador José Agripino Maia recebeu a temperatura de 38,8°c, a terceira maior entre a bancada potiguar. Segundo o Ruralômetro, ele conseguiu doações de R$ 330 mil de empresas autuadas pelo Ibama. Entre os projetos aprovados pelo deputado do DEM está a MP da Grilagem, o que facilita a regularização de terras ocupadas, além das reformas trabalhista, a ampliação da terceirização e a PEC do Teto dos Gastos. A ferramenta também apontou que empresas ligadas ao deputado acumulam R$ 19.956 em dívidas com o INSS.

Apenas os parlamentares Antônio Jácome (PODEMOS) e Zenaide Maia (PR), figuram no levantamento em temperaturas não preocupantes. Jácome recebeu a temperatura de 37,2°c, pois votou cinco vezes a favor dos interesses ruralistas e outras cinco vezes em favor dos interesses socioambientais. Ainda assim, o levantamento aponta que o parlamentar recebeu doações de R$ 115 mil de empresas empresas autuadas pelo Ibama. Já Zenaide, recebeu do Ruralômetro a temperatura de 37°c, pois dos 12 projetos que contaram com o voto da parlamentar, sete foram a favor dos interesses socioambientais e  cinco em favor de projetos apoiados pela bancada ruralista, segundo as entidades consultadas pela Repórter Brasil.

 

Fonte: Ruralômetro – Repórter Brasil

Na bancada federal potiguar, somente Fábio Faria (PSD) e Zenaide Maia (PR) não receberam doações de empresas autuadas pelo Ibama. Nenhum parlamentar da bancada federal do RN recebeu doações de empresas flagradas com trabalho escravo.

A agência Saiba Mais entrou em contato com os gabinetes dos deputados Fábio Faria, Walter Alves, Felipe Maia e Antônio Jácome.  Até o fechamento dessa matéria, apenas o gabinete de Fábio Faria retornou contato, informando que as votações favoráveis ao agronegócio que contaram com votos do deputado seguiram orientação do seu partido, o PSD.

Agenda forte

A agenda do agronegócio nunca esteve tão forte. Em outubro de 2017, uma portaria do Ministério do Trabalho que praticamente inviabilizava o combate ao trabalho escravo foi expedida pelo governo Temer em troca dos votos da bancada ruralista antes da votação da segunda denúncia contra ele. Sob Temer, pesava a acusação de chefiar uma organização criminosa e atuar na obstrução de Justiça. Após pressão de entidades e do Ministério Público Federal, o Governo teve que voltar atrás. Mas a influência e o lobby do agronegócio na política brasileira, nos últimos anos, acumula vitórias que tem impacto sobre o meio ambiente, as comunidades tradicionais e os trabalhadores rurais.

 

Confira o Ranking do Ruralômetro entre os parlamentares do RN

(Maior temperatura significa maior comprometimento com as votações favoráveis ao setor ruralista e as menores significam maior comprometimento com setores de defesa socioambiental)

Fonte: Ruralômetro/Repórter Brasil 

1º Fábio Faria (PSD) – 40,2°C

2º Walter Alves (MDB) – 40°C

3º Felipe Maia (DEM) – 38,8°c

4º Beto Rosado (PP) – 38,7°C

5º Rogério Marinho (PSDB) – 38,1°C

6º Rafael Motta (PSB) -37,7°C

7º Antônio Jácome (PODEMOS) – 37,2°C

8º Zenaide Maia (PR) – 37°C

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Avatar
Jornalista e militante de direitos humanos