TRANSPARÊNCIA

Servidores do Detran/Mossoró anunciam paralisação após supervisor abandonar órgão

Uma história que mistura descaso, irresponsabilidade, desleixo com a população e o total desconhecimento do papel exercido por um servidor público.

Sem aparecer para trabalhar há mais de 30 dias na sede do Detran em Mossoró, o supervisor do órgão João Tavernard Souto Neto vem provocando a ira dos colegas do departamento e prejudicando a vida da população mossoroense que depende dos serviços do Detran.

Em razão da ausência dele sem explicações nem comunicado oficial, funcionários do órgão estão com dificuldades para tirar férias, licenças, assinar memorandos e responder ofícios à Justiça.

O supervisor é ex-vereador no município de Areia Branca e foi nomeado em julho deste ano para a unidade do Detran, em Mossoró, em substituição ao advogado Abraão Dutra Dantas. De acordo com informações divulgadas pelo blog do jornalista Carlos Santos, a indicação política dele partiu do grupo da prefeita areia-branquense Iraneide Rebouças (PSD), aliada do governador Robinson Faria, numa aliança com o médico e ex-prefeito Ruidenberg Souto (PSD), o “Beguinho”.

Além de não aparecer para trabalhar, João Tavernard também está usando o único veículo oficial do Detran de Mossoró, com franquia de 27 litros de combustível por dia. Sem o veículo para atender as demandas do dia-a-dia, os servidores do órgão tentaram alterar a logística normal do Departamento para buscar, por exemplo, correspondências, como as novas carteiras de habilitação que chegam via Correios.

Os colegas de João Tavernard já criaram dois abaixo-assinados para informar a direção-geral do Detran sobre o caos instalado no órgão, mas nenhuma decisão foi tomada em favor dos servidores sobrecarregados.

Se o Governo não chama a responsabilidade para si, os funcionários do órgão decidiram assumir a tarefa e já marcaram para a próxima segunda-feira (3) uma paralisação de um dia das atividades em Mossoró até que a direção-geral do Detran tome uma posição definitiva sobre a inacreditável situação vivida no órgão.

Como não se trata de uma atividade sindical, os servidores correrão o risco de receberem falta pelo dia não trabalhado, mas estão dispostos a enfrentar a direção do Departamento.

De acordo com servidor Ângelo Lima a ideia é convocar a imprensa e a sociedade para tomar conhecimento do que está acontecendo em Mossoró:

– O serviço público precisa desse tipo de atitude para fazer com que a máquina ande. Recebemos tantas críticas com relação ao serviço público que precisamos defender e uma forma de defender é lutar pela melhoria do serviço” afirmou.

A lei nº 122 do Regime Jurídico dos Servidores do Rio Grande do Norte, em seu artigo 149, determina como abandono de cargo a ausência intencional do servidor ao serviço por mais de 30 (trinta) dias consecutivos sendo causa de demissão.

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *