Principal

Sessenta famílias realizam ocupação em prédio abandonado da UFRN

Sessenta famílias do Movimento de Lutas nos Bairros, Vilas e Favelas – MLB RN ocuparam, na madrugada desta sexta-feira (30), um prédio abandonado em Natal que pertence à Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

A ocupação ganhou o nome de Emmanuel Bezerra, potiguar assassinado pela ditadura militar e que foi estudante da UFRN.

Situado ao lado do Teatro Alberto Maranhão, na Ribeira, o lugar já foi a faculdade de Direito da UFRN e estava abandonado há cerca de oito anos, sem cumprir função social, de acordo com o coordenador do MLB RN, Marcos Antônio.

“Quando a gente chegou tinha dois seguranças, mas fomos recebidos tranquilamente. Eles ligaram para a empresa que prestam serviço e foram pegá-los na madrugada mesmo”, conta Marcos, ao informar que mais famílias estão procurando a ocupação em busca de morada. “Esses lugares ficam abandonados servindo ou para depredação ou especulação imobiliária”, completa.

As ocupações são importantes na luta por moradia digna e segundo, Marcos, são capazes e pautar políticas públicas.

“É uma forma de trazer para o debate os espaços vazios da nossa cidade. Precisamos discutir as possibilidades de como transformar esses prédios em moradia e, caso não seja necessário, que incluam a gente nos projetos habitacionais”, explica Marcos Antônio.

MLB

O Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB) é um movimento social nacional que luta pela reforma urbana e pelo direito humano de morar dignamente.

O Movimento está em Natal há 16 anos e é composto por pessoas em situação de rua e pessoas que moram de aluguel ou em casa de parentes.
De acordo com a Secretaria Municipal de Habitação Regularização Fundiária e Projetos Estruturantes (Seharpe), o déficit habitacional na capital potiguar chega a mais de 90 mil moradias.

O MLB ocupa espaços ociosos, prédios ou terrenos. E, com isso, já garantiram a inclusão de mais de 2.300 famílias em oito conjuntos habitacionais da cidade.

“Dois foram pelo Governo do estado: o conjunto Djalma Maranhão, na Zona Norte, e o conjunto Praiamar, na Zona Oeste, com pessoas principalmente da favela Vilma Maia, na Mor Gouveia”, lembra Marcos Antônio.

O coordenador o MLB destaca também a conquista mais recente por meio da Prefeitura, o condomínio Village de Prata, no bairro Planalto. Para lá foram destinadas famílias que moravam nas ocupações 8 de março (Zona Oeste) e Padre Sabino (Rocas), além da comunidade do Camboim (Bom Pastor).

Integrantes da ocupação Pedro Melo, no antigo Hotel Central, Ribeira) também aguarda moradia. “Acabou de conquistar o direito e ainda está em processo de dossiê, os documentos estão sendo enviados para a Caixa Econômica”, informou o coordenador do MLB RN.

Após ocupação, UFRN avalia “encaminhamentos adequados”

A assessoria de comunicação da UFRN enviou uma nota a respeito da ocupação do prédio onde funcionou a antiga Faculdade de Direito e se disse “preocupada com o caráter histórico do prédio e os riscos que o imóvel oferece aos ocupantes”. Leia na íntegra o comunicado:

“Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e em processo de restauração, o prédio da antiga Faculdade de Direito, localizado na Ribeira, pertence à Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que mantém o serviço de vigilância no local.

Dessa forma, ao tomar conhecimento da ocupação na manhã desta sexta-feira, 30 de outubro, a UFRN está avaliando os encaminhamentos adequados, preocupada com o caráter histórico do prédio e os riscos que o imóvel oferece aos ocupantes”.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *