OPINIÃO

Sobre Madonas e mamadonas

Uma amiga muito querida minha, íntima e pessoal, relata para mim o seguinte caso:

Estava ela sossegada no seu canto, tomando sua cerveja e lendo seu livro. Nada de novo sob a terra. O livro da vez era o “Combustão”, escrito a quatro mãos por Cefas Carvalho e Jeanne Araújo e editado pela Penalux, de São Paulo, e recentemente lançado em Natal. Eu também estou lendo este livro. É um romance epistolar, em que dois ex-amantes (cujos nomes homenageiam dois malditos das letras, Gregório de Matos e Hilda Hilst) trocam cartas entre si e relembram aventuras amoroso-sexuais de outrora. Há umas passagens ótimas (“entediado com os versos bem comportados e edificantes das senhorinhas, eu degustava um uísque, felizmente de melhor qualidade que as poesias declamadas”) e outras passagens nem tanto (“desde aquele fatídico dia em que tu fostes preso”), como acontece com qualquer texto literário.

O fato é que estava lá minha amiga se deliciando com seu livro quando chegou um chato.

Tod@s temos nossa cota de chatice, claro. Minha amiga tem demais e eu aprendi a filtrar. Mas, definitivamente, alguns, em algumas situações, conseguem se superar. O chato em questão, então, olhou para o livro de minha amiga e declarou, sucinta e categoricamente:

– Eu fui para esse lançamento. Vi você lá, mamadona…

Ela, calmamente, descreve seu estado de espírito ao ouvir tal pérola:

Ó, grande Deusa, que novidade! Ó céus, que grande crítica literária!

Depois que o distinto foi embora (sem ouvir nenhum coice verbal de sua parte, porque, às vezes, ela conseguia também ser uma lady e exercer sua nobre paciência), teve que parar sua agradável leitura para refletir sobre aquele comentário.

O chato podia ter dito várias outras coisas. Podia, por exemplo, ter dito que a viu lá de cabelo preso e não solto; podia ter dito que ela estava com uma blusa preta e não vermelha; que ela estava com Beltrano e não com Sicrano etc. e tal. Podia, aliás, ter falado não dela e sim do livro, o mais importante na noite. Mas não. O comentário, crítica velada, foi de que ela estava “mamadona”.

Minha amiga me pergunta: que sabia aquele ser de minha pessoa? Nada. Mas fez questão de proferir sua opinião formada sobre tudo acerca de minha subjetividade.

Ela então prossegue: eu estava mamadona? Interessa? Se sim, vai ver que é porque eu sou uma madona. Porque, diferente dele, paladino da moral e dos bons costumes, não precisei até agora pagar minha cerveja às custas de um cargo comissionado a base de bajulação de poderosos escusos e escrotos. Porque bebo sim e estou vivendo. Porque reatualizo essa herança ancestral herdada, quem sabe, das mênades do século V antes de Cristo, as alegres e loucas seguidoras do culto a Dioniso, o deus grego do vinho e da embriaguez.

Fiquei pensando nesse episódio vivido por minha amiga… Podia ter sido comigo. Não parava de pensar nisso e o que me ocorria era indagar: por que isso incomoda a certas pessoas? Ela não estava dirigindo. Não estava cheia de ódio e armada com um .38. Não ameaçou e nem ofendeu ninguém. Estava só de boa comemorando seu pilequinho e mais um livro no mundo.

Agora, quanto a mim, já que é para se ser categórico, penso que se trata do mesmo ranço de milênios atrás e que continua se reatualizando nos dias de hoje, em nome de uma cartilha – tirana – de “como viver a vida que não é sua”: uma aversão à diferença e à liberdade de escolha, com doses de machismo e pitadas de hipócrita ética, tudo junto e misturado na boca pequena da vidinha de pacata província.

O mais curioso é o cenário: o lançamento de um livro de viés (dentre outros) erótico, assinado também por uma mulher.

Lembro-me, assim, de autoras de literatura erótica, todas mamadonas, que foram igualmente taxadas, criticadas, censuradas. A já citada Hilda Hilst, claro, é referência. O caderno rosa de Lory, por exemplo, além de ser um tapa na cara da hipocrisia (dos machos editores, autores e leitores, quem quiser saber que vá ler), é também uma obra que incomoda por ousar abordar aquilo que todos veem e fingem não ver.

Mas a grande referência, para mim, é Anaïs Nin. Depois que ela (e a mãe) foram preteridas pelo pai (marido), iniciou sua produção literária, também epistolar, recheada de cartas para os muitos amores e para si mesma. Mais do que amante de Henry Miller, Anaïs foi libelo sobre o que é ser mulher, boêmia e intelectual, exemplo de emancipação humana, cagando e andando, feito boa vaca de belas tetas, para os moralizadores de sua época, apolíneos da ordem e do progresso que também teimam em se repetir. Monotonamente.

Pois em homenagem à minha amiga e a todas essas loucas (ma)madonas de hoje e de sempre, consagradas e anônimas, para além das Damares e junto das Marielles, eu, que não sou poeta, dedico este poemeto em que um dia, quando quis, me meti:

Certos homenzinhos

Querem uma mulher pra foder de mil e uma maneiras

Mas ela que não queira

Beber, trepar com todos, falar palavrão.

Ah, não…

Isso não pode!

Homem, faz favor!

Vê se não fode

Com minha paciência.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo