OPINIÃO

Sobre o Ministro da Adulação, ops, da Comunicação!

Para quem acompanha a, digamos, gestão do Governo Federal de 2019 para cá, em nada surpreende o fato de que para ser ministro de Estado no desgoverno Bolsonaro conta pontos bajular o chefe. Vide criaturas como Abraham Weintraub e Ernesto Araújo, que se destacaram pela alopração e necessidade de adular o despresidente ao extremo, chegando ao ponto de terem a cabeça pedida até mesmo por aliados e direitistas.

Claro, não sejamos injustos, há uma espécie de “reserva técnica” que se mostra mais discreta e tenta trabalhar, como a ministra da Agricultura Teresa Cristina, o da Ciência e Tecnologia, nosso intrépido astronauta Marcos Pontes e mais alguns outros, que até evitam redes sociais justamente para não serem cobrados pelo chefe para que “defendam o Governo”.

Portanto, quando o potiguar Fábio Faria, supra conhecido de nós aqui da capitania hereditária do Rio Grande do Norte, foi nomeado ministro de Estado, pensávamos em grande escala que agiria de maneira discreta e diplomática, fazendo a tão sonhada “ponte” entre a truculência bolsonarista com as instituições, principalmente o Congresso (afinal, Fábio tem mandato de deputado federal).

Mas, nada. O rapaz preferiu seguir o caminho fácil e pantanoso da adulação. Vem se dedicando com afinco a espalhar fake news, destruir dados lógicos e mesmo mentir desavergonhadamente na defesa do desgoverno (aliás, defesa pessoal de Bolsonaro) em vez de fazer as tais pontes e de gerir sua pasta de uma maneira que ela consiga construir uma comunicação com a população durante uma pandemia sem recorrer a inverdades e viver em um mundo paralelo.

Há quem diga que sonha em ser companheiro de chapa de Bolsonaro, sair como vice, e que essa política de puxa-saquismo sistemática e quase diária é para criar condições políticas para tal. Quem sabe. Pela balança de Bolsonaro, ´babar ovo` como se diz o interior, é sinônimo de confiança e capacidade. Contudo, no meio político, exceção aos nichos aloprados do bolsonarismo, é consenso que Fábio vem exagerando na dose.

Curiosamente, o Rio Grande do Norte tem outro ministro, Rogério Marinho, este sem mandato, já que não conseguiu reeleição em 2018. Sabemos aqui no Erre Ene dos muitos defeitos e complicações do cidadão (hummm, vamos falar sobre a Urbana em outro texto), contudo, escudado pela capacidade e poder real de aglutinação e diálogo com o setor produtivo, Marinho evita bajular Jair publicamente  e dedica seu tempo ao esporte de trombar com Paulo Guedes, ex-amigo e ex-aliado dentro do Governo.

Em ótimo texto aqui mesmo no Saiba Mais, o comandante em chefe deste portal Rafael Duarte escreveu sobre a maneira quase patológica como Fábio destila mentiras sobre política, passado, sua atuação, PT, governo do pai Robinson, etc etc. Como falar inverdades é quase um critério para chegar e manter no desgoverno Bolsonaro, Farias parece ter longa vida na gestão (sic). Pena para o Rio Grande do Norte, que, em um primeiro momento, acreditou que seria positivo para o estado ter mais um ministro. Na verdade Fábio, casado com uma filha do empresário e comunicador Silvio Santos, mora mesmo é em São Paulo, e atende mais os interesses do mundo econômico paulista do que qualquer setor potiguar. Isso nem seria o pior dos pecados, caso o cidadão resolvesse se dedicar à pasta que foi nomeado – Comunicação – em vez do que faz cotidianamente nas redes sociais e entrevistas distópicas: Adulação.

Curtiu ? Então leia outros textos do jornalista Cefas Carvalho aqui 

 

 

 

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *