TRANSPARÊNCIA

Temer sanciona reajuste do Judiciário que Garibaldi e Agripino ajudaram a aprovar

No apagar das luzes do mandato tampão, Michel Temer sancionou o reajuste dos ministros do Supremo Tribunal Federal que deverá, pelo efeito cascata, impactar em mais de R$ 4 bilhões as contas públicas da União e Estados.

A proposta dormia no Senado Federal e foi aprovada em 7 de novembro. O salário dos servidores do Judiciário terá um reajuste de 16,3%. Assim, os vencimentos de um ministro do STF passará dos atuais R$ 33 mil para R$ 39,2 mil.

Dos 81 senadores da Casa, 41 votaram a favor; 16 foram contra e ainda houve uma abstenção. Os demais 23 parlamentares faltaram à sessão.

Do Rio Grande do Norte, a senadora e governadora eleita Fátima Bezerra (PT) foi a única que votou contra a proposta. Os senadores Garibaldi Alves (MDB) e José Agripino Maia (DEM), que ficarão sem mandato a partir de 1º de janeiro de 2019, foram a favor do aumento.

Auxílio-moradia é revogado

A sanção do reajuste do Judiciário escancarou um acordo entre o Planalto e o Supremo. No mesmo dia em que Michel Temer autorizou o aumento, o ministro Luiz Fux revogou o auxílio-moradia para magistrados. A aprovação do reajuste foi condicionada ao auxílio-moradia e vice-versa.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *