CIDADANIA

#DespejoZero: Trabalhadores sem teto fazem ato público contra ameaça de despejo de ocupação na Ribeira

O Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas do Rio Grande do Norte (MLB) realiza nesta sexta-feira (31), a partir das 9h, um ato público em defesa da ocupação Pedro Melo. A manifestação acontece em razão da ameaça de despejo das 21 famílias ocupantes do antigo albergue de Natal, na Ribeira. A prefeitura tenta reaver o prédio pela terceira vez, mas não tem nenhum projeto para o espaço.

A concentração do ato será no cruzamento da avenida Rio Branco com a rua João Pessoa e seguirá em caminhada até o Palácio Felipe Camarão, sede da Prefeitura de Natal. O protesto contará com a presença dos trabalhadores sem teto que ocuparam o prédio, bem como aqueles que possuem causas ligadas à pessoas sem teto e/ou em situação de rua.

De acordo com o coordenador do MLB Marcos Antônio, o objetivo do movimento é, também, protocolar, junto ao poder executivo municipal, um pedido de reunião com participação do chefe de gabinete, a Secretaria Municipal de Habitação e a Secretaria Municipal de Trabalho e Assistência Social (SEMTAS).

“Vamos protocolar junto a prefeitura uma solicitação de reunião com o chefe de gabinete, com o secretário de habitação e o secretário da SEMTAS. Queremos ampliar o diálogo com a ameaça de despejo”, esclareceu.

O coordenador do MLB aproveitou para denunciar que, durante o período pandêmico causado pelo coronavírus, os ocupantes não receberam assistência necessária da Secretaria Municipal de Trabalho e Assistência Social.

“Na reunião quereremos falar com a Semtas e ver como eles podem dar assistência nesse momento, pois não recebemos sequer uma cesta básica e nem materiais de higienização nesse período de pandemia”, afirmou.

O movimento é uma luta de visibilidade social, unido por pessoas sem teto, desempregadas e sem condições de manter o pagamento de aluguel. Para isso, realizam ocupação de prédios públicos, reivindicando a presença de políticas públicas por parte do município para garantia da moradia.

“Tudo que fazemos tem grande importância porque a gente sabe que precisa mostrar o que está acontecendo e qual é o que estamos passando nesse processo de defesa da ocupação Pedro Melo, bem como a busca por moradia”, afirmou Marcos Antônio.

O poder executivo já tentou despejar as famílias da Ocupação duas vezes. No entanto, não conseguiu por ausência de informações no projeto.

A ocupação Pedro Melo possui, atualmente, 21 famílias abrigadas, totalizando 43 pessoas em situação de rua. Dessas, 9 crianças, 4 adolescentes, 2 idosos e 28 adultos. Entre eles, 10 são mulheres chefes de família, ou seja, responsáveis pelo sustento de sua família.

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Allan Almeida
Jornalista potiguar em formação pela UFRN.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *