CIDADANIA

Transferência de pacientes com covid-19 para interior do RN revela política de fortalecimento das regionais de saúde

Antes, sem uma rede de saúde estruturada, o interior do Rio Grande do Norte costumava transferir pacientes em estado grave para os hospitais de Natal. Nesta semana, a situação se inverteu. Com leitos críticos de covid-19 disponíveis, Mossoró, Caicó e Pau dos Ferros puderam receber pacientes da região Metropolitana. Cinco foram transferidos.

O titular da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), Cipriano Maia, acredita que isso revela o sucesso da política de interiorização de leitos, o fortalecimento da regionalização e a qualificação da atenção dos hospitais em todas as regiões do estado.

“É resultado da política acertada que fizemos com equipamento desses hospitais, instalação de tanques de oxigênio, criação das condições adequadas desses equipamentos e de contratação de pessoal, isso é um ganho que fica como legado da pandemia e que vai servir por alguns meses para o enfrentamento dessa demanda assistencial”, explicou Cipriano Maia.

De acordo com o Regula RN, o estado possui hoje 566 leitos para covid-19, sendo 287 críticos (UTI e UCI) e 279 leitos clínicos. Quinze estão bloqueados nesta quinta-feira (25). Há ainda 94 leitos em expansão, diante do agravamento da pandemia.

“Hoje nós temos leitos de UTI em Pau dos Ferros, seja pra atenção geral, seja para atenção covid; em Caicó, Santo Antônio do Salto da Onça, João Câmara, São Paulo do Potengi, Assu. Isso mostra o sucesso e o resultado dessa interiorização, com o fortalecimento dos hospitais regionais”, apontou o secretário de estadual de saúde, alertando também que o movimento de pacientes se dá pela sobrecarga do sistema de saúde na região mais populosa, a Metropolitana de Natal.

De acordo com o secretário, passada a pandemia, o estado terá condições de melhorar as Urgências da rede, contando agora com tomógrafos em Pau dos Ferros e Caicó, além de Mossoró que já possuía esse e outros equipamentos.

Cipriano diz ainda que o governo não se restringirá à atenção hospitalar e que tem proposta de fortalecer a regionalização de modo amplo. “A atenção ambulatorial especializada será consolidada com a implantação das policlínicas regionais integradas, articuladas com a atenção primária e sustentadas nos consórcios interfederativos que vamos começar esse ano”.

Histórico

Em abril de 2020, o Governo do Rio Grande do Norte havia planejado um hospital de campanha, mas desistiu após ser criticado. Em contrapartida, investiu na estrutura de saúde já existente e anunciou a contratação de leitos da Liga Norte-riograndense Contra o Câncer, que é filantrópico.

Até dezembro, foram abertos 104 leitos críticos e agora mais 94, com previsão de expansão. Durante a fase de declínio do número de doentes, a Sesap chegou a reverter alguns leitos para o atendimento de outras patologias. Com o aumento da taxa de ocupação, a Secretaria abrirá os seguintes leitos até a próxima semana: 13 UTIs no Hospital Giselda Trigueiro; 26 no Hospital João Machado; 2 em João Câmara; 4 em Macaíba; além de 9 leitos no Hospital Universitário Onofre Lopes, que já estão disponíveis no sistema do Regula RN.

De acordo com a Sesap, o Estado também auxiliou na abertura de 10 leitos críticos no Hospital de Campanha de Natal, onde foram oferecidos kits completos de UTI com monitores, ventiladores e bombas de infusão.

Também serão abertos dez leitos no Hospital Belarmino Monte, em São Gonçalo do Amarante, todos contratados pelo estado e mais 10 leitos no Hospital da Polícia, totalizando 84 leitos críticos de UTI covid na região Metropolitana, além de outros 10 no Hospital São Luís de Mossoró nos próximos dez dias.

Clique para ajudar a Agência Saiba Mais Clique para ajudar a Agência Saiba Mais
Artigo anteriorPróximo artigo
Isabela Santos
Isabela Santos é jornalista e repórter da agência Saiba Mais