DEMOCRACIA

UBES pede para estudantes gravarem problemas das escolas

A União Brasileira dos Estudantes (UBES) lançou a campanha nacional #MinhaEscolaDeVerdade na qual orienta os estudantes das escolas de todo o país a gravarem vídeos de até 1 minuto sobre problemas nas escolas, da falta de infraestrutura à ausência de professores em sala de aula.

A campanha é uma resposta ao pedido do ministro da Educação Ricardo Vélez, que enviou carta às escolas orientando os diretores a gravar alunos cantando o hino nacional, além trechos da leitura de um texto assinado por ele onde há referências ao slogan de campanha do presidente Jair Bolsonaro.

A Campanha #MinhaEscolaDeVerdade foi divulgada em vídeo pelo presidente da UBES, o natalense Pedro Gorki, que questiona as prioridades do governo Bolsonaro para área de Educação:

– Será mesmo que a prioridade do ministério da educação do nosso país tem que ser gravar os estudantes cantando o hino nacional e repetindo o slogan político do presidente eleito ? Porque o MEC não sugere que seja gravar os problemas reais da escola brasileira, especialmente da reforma pública, que só serão resolvidos com a valorização dos professores, com o cumprimento do Plano Nacional da Educação, com investimento da infraestrutura nas escolas, com a renovação do Fundeb e com mais investimento na escola pública brasileira ? 

Abaixo, o vídeo de divulgação da campanha #MinhaEscolaDeVerdade

Após repercussão negativa do caso e pressão do movimento estudantil e da sociedade, o ministro da Educação, Ricardo Vélez, reconheceu que errou ao pedir para que estudantes fossem filmados durante leitura de uma carta sua com o bordão eleitoral do partido de Bolsonaro.

A declaração do ministro aconteceu na chegada a uma audiência da Comissão de Educação no Senado, onde estudantes foram reprimidos ao protestar contra a gestão Vélez com cartazes e mordaças.

“Queremos ouvir o que o ministro tem a dizer, nosso protesto é silencioso”, denunciou Stefany Kovalski, diretora de Comunicação da UBES, presente no Congresso.

Os cartazes dos estudantes não puderam ser exibidos e funcionários da Casa tentaram retirar à força mordaças de estudantes presentes.

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *