CIDADANIA

Vítimas da Covid-19 no RN já superam todas as mortes por homicídio registradas em 2019

O número de vítimas fatais provocadas pela Covid-19 registrado entre março e julho de 2020 no Rio Grande do Norte já é maior que a soma de todas as pessoas assassinadas no Estado em 2019.

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado nesta quarta-feira (15) pela secretaria de Estado de Saúde Pública, o número de óbitos de pacientes infectados pelo novo Coronavírus chegou a 1.473 e ainda há 221 mortes em investigação. O Governo ainda reconhece que a subnotificação é muito alta no Estado.

A título de comparação, 1.446 pessoas foram vítimas de homicídio no Rio Grande do Norte entre janeiro e dezembro de 2019.

Natal é responsável por 41% das mortes por Covid-19 no Estado, com 610 óbitos até o momento. Durante os 12 meses de 2019 em Natal, 283 pessoas foram assassinadas. Ou seja, em apenas 120 dias a Covid-19 já matou mais que o dobro das vítimas de homicídio registradas na capital do Estado durante todo o ano passado.

Dos 167 municípios do Rio Grande do Norte só não há óbitos registrados em 61 cidades.

Covid-19 matou, em média, 12 pessoas por dia no RN

A média mensal e diária de mortes ocasionadas pela Covid-19 é três vezes maior que a de vítimas fatais provocadas por crimes com arma de fogo.

Até o momento, e baseado apenas nos dados oficiais, o novo Coronavírus levou à morte 12 pessoas por dia no Estado. No ano passado, a média diária de vítimas fatais assassinadas foi de quatro pessoas.

O Estado potiguar também já confirmou 40.606 pacientes diagnosticados com a Covid-19 e contabiliza 54.421 pessoas suspeitas de infecção pelo Coronavírus.

Brasil

Os números de vítimas da Covid-19 no Brasil também já ultrapassou o de mortes violentas no país no comparativo com os 12 meses do ano passado. Ao todo, 41.635 pessoas foram assassinadas no país em 2019. Só o novo Coronavírus já matou 74.133 pacientes.

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Rafael Duarte
Jornalista e autor da biografia "O homem da Feiticeira: A história de Carlos Alexandre"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *